Monday, June 26, 2006

ela diz que é o contrário,
que ela não pode esquecê-lo.
que a partir do momento em que
não se passa nada entre eles,
fica a memória infernal
daquilo que não acontece.
(marguerite duras)


"pierrot le fou" by jean-luc godard

24 Comments:

Blogger merdinhas said...

...antes de ontem estive a rever algumas cenas desse filme. A explosão com dinamite, por exemplo.

E as palavras de Duras, a abafar fosse o que fosse que eu disesse.

2:27 pm  
Blogger MBSilva said...

Fez-me lembrar parte de um texto de Luiz Fernando Veríssimo que diz: «Ainda pior que a convicção do não e a incerteza do talvez é a desilusão de um quase.
É o quase que me incomoda, que me entristece, que me mata trazendo tudo que poderia ter sido e não foi. Quem quase ganhou ainda joga, quem quase passou ainda estuda, quem quase morreu está vivo, quem quase amou não amou(...)»

4:44 pm  
Blogger O Caso de Charles Dexter Ward said...

O comentário de MBSilva complementa muito bem este post.
Também não suporto viver com o quase. É por isso que me atiro de cabeça às coisas. Prefiro isso a arrepender-me de não ter tentado.

8:24 pm  
Blogger Mr_Lynch said...

Uma imagem de, para mim, mais um grande filme de um dos realizadores de elite franceses. Téchiné, Godard, Truffaut... Grandes nomes que jamais serão desassociados da "nouvelle vague".

8:31 pm  
Blogger Rita said...

Não há pior memória do que a do vazio; é insuportável. Eu acho que "ela" tem razão.

Excelentes escolhas, sempre.

Aqui, seguramente, acontecem coisas.

12:36 am  
Blogger Vodka e Valium 10 said...

MAs sempre pode comer a memória infernal, como se comem porcos e pessoas da mesma panela no 'Weekend' de Goddard

11:49 am  
Blogger M said...

se um dia encontrar outra estrada, digo-te...a primeira desde sempre veio dar aqui.um beijo.

12:40 pm  
Blogger manhã said...

"Pierrot le fou"
"Que'est que je vais faire? Je ne sais pas quoi faire!" (Peço desculpa pelo francês que é um bocado mauzote. A cena? Uma casa no meio do campo, ela entedia-se...soberbo...

9:54 pm  
Blogger merdinhas said...

dissesse ...faltou-me um S.

10:30 pm  
Anonymous Anonymous said...

Às vezes penso isso. Aqui sozinho em NY e a memória infernal daquilo que não acontece.
Francisco

6:37 pm  
Blogger Mendes Ferreira said...

junto esta às minhas mulheres especiais....






(e tb tu)


bjo.


(obrigada)

6:43 am  
Blogger Naked Lunch said...

vivá nouvelle vague... excelentes escolhas

10:38 am  
Blogger CPiteira said...

o teu bom gosto encanta-me!









...como te gosto
como te gosto...

10:56 pm  
Blogger jose said...

queria ver o filme. queria queria.

7:11 am  
Blogger intruso said...

"...graça do corpo nú que
invisível se vê..."

(gosto mesmo desse filme)

12:03 am  
Blogger A. said...

...e como ela tem razão.
A Dor...insuportável Dor.

3:47 am  
Blogger O Caso de Charles Dexter Ward said...

Coco Rosie. Sempre vais?

4:25 pm  
Blogger agridoce said...

No dia em que levou as suas coisas, deixou o lugar onde 'sempre' estiveram...

2:04 pm  
Blogger eu said...

obrigado pela visita às cidades...e acrescentava, ao que escreveste da Duras, que não se pode procurar "compreender este fenómeno fotográfico, a vida"

11:41 pm  
Blogger INDIGENTE ANDRAJOSO said...

"o tempo existe num piscar de olhos e o momento não é mais que o susto de viver espantado de existir..." paulo silva

1:31 am  
Blogger Mendes Ferreira said...

sempre bom.


rever_______________te.




:)


bjo.

10:21 am  
Anonymous Anonymous said...

Já viste isto? :)

http://www.youtube.com/watch?v=RkmkraypLnQ&search=tiger%20lillies

5:31 pm  
Blogger O Caso de Charles Dexter Ward said...

O que eu perdi!!
:(

10:28 pm  
Blogger Galeria Colectiva said...

é isso mesmo

assim dito por MD até me faz sentir bem

4:10 pm  

Post a Comment

<< Home