Thursday, May 29, 2008

e nada será teu
se não um ir até onde não há onde.
(alejandra pizarnik)


"vivre sa vie" by jean-luc godard

17 Comments:

Blogger corpo visível said...

.
le dragueur vient de sortir de son alfa roméo et lui propose de l’argent pour poser nue, puis faire l’amour.
.
elle répond "je ne veux pas être une star sur le zinc".
.

5:01 pm  
Blogger intruso said...

(há caminhos em que não há ir)

...

[tentei comentar das três vezes que vi o post;
acho que ainda não é desta...]

...

tocante

9:58 pm  
Blogger Naked Lunch said...

hoje parece-me bem...

7:15 pm  
Blogger O Caso de Charles Dexter Ward said...

Alguns dos teus posts são como murros no estômago. Este é um deles.

8:03 pm  
Blogger sou eu said...

o (meu) problema é não conseguir voltar.

11:28 pm  
Blogger licopódio said...

Um murro no estômago - e no tempo - como já disseram.

Nada.

12:27 pm  
Blogger Mr. Lynch said...

Corpo Visível;
A frase que escolheste da poetisa Alejandra Pizarnik (sou admirador) assenta que nem uma luva neste filme do mestre Godard.

"Se fuga la isla
Y la muchacha vuelve a escalar el viento
y a descubrir la muerte del pájaro profeta.

Ahora
es el fuego sometido.

Ahora
es la carne
..la hoja
..la piedra
perdidas en la fuente del tormento"

3:34 pm  
Blogger icendul said...

ainda hoje trunquei uma citação de a. ramos rosa, limitando-me a postar apenas dois versos de um poema, exactamente por não estar em sintonia com a concepção escatológica do "onde não há onde".
virando para esta ala, encontro a mesma ideia que quis suprimir! apesar da discórdia, gostei do confronto com a repetição do tópico;) ele há coisas...

8:01 pm  
Anonymous Anonymous said...

Este post está brutal!
Mesmo.

E tu, por esta altura (já no Cairo ou ainda em Dubrovnik?) a ires até onde não há onde...

Beijo. Francisco

1:09 am  
Blogger merdinhas said...

Hoje estive (estou ainda) a rever o "Alphaville"...aquele diálogo combate com o ALPHA 60. Onde só há presente , onde não há "porquê" mas sim "porque"...onde não há futuro.

Lembra-me esse ir até onde não há onde.

abraço

12:43 am  
Anonymous Anonymous said...

Como invejo estas tuas viagens para a Croacia que terminam na Bosnia... Imprevisivel como sempre. rsrsrs
Francisco

12:33 am  
Blogger vermelho como a estrada said...

Por causa deste post revi o filme. É de uma beleza desconcertante. Tal como este blogue.
O Corpo Visível deixa-me sempre meio perdido.

11:25 pm  
Blogger Naked Lunch said...

kerouac na mouraria... documento inédito hoje tornado público...

12:05 pm  
Blogger O Caso de Charles Dexter Ward said...

Dão-se alvíssaras a quem souber do paradeiro desta blogger. Foi vista pela última vez num souq no Cairo...

1:11 pm  
Blogger Kraak said...

Haverá algum caminho para ir até onde não há onde, ou será algum labirinto que não tem mesmo saída?

Muito bom!
:)

1:40 am  
Anonymous Anonymous said...

O que fazer contra um inelutável destino?

8:15 pm  
Anonymous Anonymous said...

Uma mulher que vende o corpo para conservar a alma.

11:43 pm  

Post a Comment

<< Home