Friday, June 26, 2009

existe uma arritmia ténue
no coração de quem recusou
o amor de outrém, um coração
ténue que se sobrepõe ao que
já se tem.

(valter hugo mãe)


"days of being wild" by wong kar-wai

22 Comments:

Blogger disparosacidentais said...

existe e não é coisa boa.

4:18 am  
Anonymous Anonymous said...

E no coração recusado existe uma dor feroz. Sei o que é.
Francisco

6:25 pm  
Blogger vermelho como a estrada said...

Há algum tempo atrás um post teu do Borges dizia "és nuvem, és mar,
és olvido, és também aquilo que por ti foi perdido". Recusar um amor também é uma perda.

6:38 pm  
Anonymous Anonymous said...

no coração recusado existe uma dor, mas não é feroz. é uma dor resignada, que dói em surdina, que mói e não passa.

3:47 pm  
Blogger Naked Lunch said...

sim...

8:59 pm  
Blogger O Caso de Charles Dexter Ward said...

Uma vez citaste o "Angels in America": "I don't understand why I'm not dead. When your heart breaks you should die".
Acho que morrem os dois um bocadinho. O que rejeita e o que é rejeitado.

12:54 am  
Blogger vera. said...

e vive-se assim, em arritmia. no descompasso de corações sobrepostos

8:04 pm  
Blogger O Caso de Charles Dexter Ward said...

TNSJ.
Um grupo bebe um porto seco e sente-se observado por um bailarino.
Comentam como ele é alto, esbelto e flexível.
Nisto, o bailarino dirige-se ao grupo, olha fixamente para a rapariga de cabelo curto e diz-lhe: I could fall in love with you.
A rapariga sorri (mas é um sorriso desencantado) e responde: it's a mistake to fall in love with me.
E o bailarino: I'm already in love with you.
Nisto a rapariga põe-se em bicos de pé, beija-o ao de leve na face e sai sozinha da sala.

Houve alguém do grupo que não resistiu ao bailarino e lhe deu o contacto da rapariga. eh eh

Isto é mesmo cena de filme clássico. Dramático e enigmático. Que saída rapariga!

8:04 pm  
Blogger corpo visível said...

.
se um grupo de pessoas aparecer num carro caído numa falésia eu não sei de nada, estou inocente e só falo na presença do meu advogado. risos.
.
há alturas em que uma miúda o que quer é fazer a sua travessia no deserto. é a vida.
.

9:03 pm  
Anonymous Anonymous said...

(...)
No perfect mate
No perfect wife
No perfect date
(...)
Everything's gonna be ok.

João D.

1:06 am  
Blogger film-m k said...

há uma grande diferença:
é a protecção.

o que recusa fica com um outro coração ténue que se sobrepõe, que protege.
o recusado fica apenas com o que já tinha, a sangrar as feridas por inteiro.

1:03 am  
Blogger vera. said...

nem mais. perspicácia ou intuiçao, deixaste em adenda mais do que uma adenda.

4:48 pm  
Blogger estou presa neste elevador said...

Colecionar corações também não deve ser tarefa fácil.

8:34 pm  
Blogger Andreia said...

E quanta verdade nestas palavras! *

7:34 pm  
Blogger Ana said...

hum... eu também escolhi a caminhada no deserto... mas às vezes dá-me sede .

5:21 pm  
Blogger Mr. Lynch said...

corpo visível;
Wong Kar-Wai.....
Que harmonia entre as palavras e a imagem. Perfeito (mais uma vez...)!

9:50 pm  
Blogger via said...

como se pode recusar um amor? melhor seria nunca o deixar ser para não ter de o recusar.

3:15 pm  
Blogger menina limão said...

**

10:15 am  
Blogger maria m. said...

não será fácil recusar um amor...

12:03 pm  
Blogger pdah said...

Caríssimos: adianto que o meu novo livro está a venda nos seguintes locais:

Livraria Trama , Lisboa
Livraria Poesia Incompleta , Lisboa
Livraria Pó dos Livros , Lisboa
Livraria Letra Livre , Lisboa

...em breve espero tê-lo em Évora, Porto e Faro.

O lançamento será algures em Setembro, algures em Lisboa. Não foi agora devido às providências cautelares interpostas pelos dois maiores partidos com assento parlamentar, a santa inquisição, várias obediências maçónicas e um talhante de Paderne.

Para saberem mais, é apenas visitarem

http://pdaherois.blogspot.com

11:54 pm  
Blogger intruso said...

...

1:55 pm  
Blogger merdinhas said...

devorem o coração...

12:02 pm  

Post a Comment

<< Home